Entre em contato!

+55 19 99405.5656

contato@cameralucida.com.br

  • facebook

Curta nossa página!

© 2015 por Câmera Lúcida.

logo_clubedacamera_Prancheta 1.png
Ana Angélica Costa

é artista visual, pesquisadora e produtora cultural, mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, na Linha de Pesquisa Processos Artísticos Contemporâneos, especialista em História da Arte e da Arquitetura no Brasil, PUC-Rio, e graduada em Educação Artística com habilitação em História da Arte pela UERJ. Foi professora substituta de Fotografia para o 8º ano do Ensino Fundamental (atual 9º ano) e 1º ano do Ensino Médio no Colégio de Aplicação da UERJ. Uma das fundadoras do Projeto Subsolo (www.projetosubsolo.com), produtora de arte com foco em fotografia e arte contemporânea, e responsável pela concepção, curadoria e realização de projetos como: Pesquisas Artísticas Presentes, selecionado nos editais Conexão Artes Visuais MinC/Funarte/Petrobrás 2007 e Edital de Apoio a Websites 2010 (wwww.pap.art.br); Fotografia e Pensamento Artístico Contemporâneo, na Caixa Cultural, entre outros. Possui ampla pesquisa em fotografias feitas com câmeras pinhole e experimentos com câmeras obscuras. Suas obras foram publicadas nos catálogos Rio Ateliê,  Novos Talentos da Arte Brasileira, Prêmio Projéteis de Arte Contemporânea, entre outros. Possui obras na Coleção Joaquim Paiva, atualmente em comodato com o MAM-RJ. Desde 2003 desenvolve oficinas de fotografia e, em 2011, foi selecionada pelo Prêmio Interações Estéticas em Pontos de Cultura para desenvolver um projeto de ensino de fotografia no Solar Meninos de Luz, nas comunidades do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo. Em 2013 desenvolveu, dentro do Projeto Subsolo, a caixa Continente: Pinhole, primeira de uma série de caixas de conhecimento sobre assuntos relacionados à produção artística contemporânea e temas transversais. No mesmo ano, o Projeto Subsolo foi contemplado com o XIII Prêmio Marc Ferrez de Fotografia Funarte e com o Edital de Fomento de Artes Visuais da Prefeitura do Rio de Janeiro para desenvolver a publicação Possibilidades da câmera obscura, lançada este ano na Biblioteca Parque Estadual, e no Ateliê da Imagem, no Rio de Janeiro. Recentemente mudou-se para Campinas.

Foto de Marian Starosta